Qual a diferença entre French Press, Moka, V60, Clever, Chemex e outras?

Experimentei sim! Fiz cada um dos métodos que consegui e cheguei à uma conclusão final! Experimentei com 2 cafés totalmente diferentes e o resultado nos métodos de preparo foram completamente divergentes, o que prova que não existe regra geral para os métodos de preparo, ou seja, mudei o perfil do café e o resultado também mudou, leia tudo aqui.

IMG_0450 (1)

Quer saber como foi feita a experiência? Corra até o final deste artigo está lá te esperando. Quer uma leitura rápida do resultado? Então é só seguir a leitura.

A experiência foi feita com os seguintes métodos de preparo:

Antes de continuar a leitura, vamos às considerações:

  • Tudo que está escrito abaixo são percepções minhas, opiniões próprias e gosto é relativo.
  • As amostras de café podem conter defeitos, e muitas vezes o defeito cai exatamente naquela xícara de café e pode fazer com que minha opinião fique ruim devido ao café e não devido ao método. Isso quer dizer que não necessariamente aquele método é ruim. Até a torra pode influenciar no preparo do café. Por isso fiz com 2 cafés diferentes para saber se alguns aspectos são mantidos ou não.
  • Futuramente quero repetir a experiência com outros cafés para comprovar a diferença entre os métodos.
  • Existem DIVERSAS variáveis como: torra, filtro, grão, moagem, fines, etc. etc. etc. Nesta experiência fiz tudo que pude para minimizar as variáveis e tornar possível avaliar apenas os métodos. Mesmo assim, as variáveis estavam presentes.

Fiz a experiência com 2 cafés diferentes são eles:

  • Café Especial, torra clara, região de Araponga-MG, altitude 1.200m, variedade catuaí 44. (Dados da embalagem, a torra apenas que foi classificação minha porque descordei da embalagem)
  • Café Gourmet, não constava na embalagem dados como especial. Foi comprado em supermercados, torra média-escura, vendido como “espresso gourmet”, com selo de pureza ABIC com certificado de “GOURMET”. A embalagem indicava classificação como: bebida mole. (Dados da embalagem, a torra apenas que foi classificação minha porque descordei da embalagem)

A ideia foi usar café especial e café comercial de gôndola de supermercado. Porque o café comercial de gôndola? Porque eu quis simular o consumidor residencial que não tem acesso a café especial na cidade dele, e também porque tem muitos cafés vendidos como “especial” quando na verdade são apenas gourmet.

IMG_0442 (1)

*Fiz calibração QGrader 5 meses antes desta análise, portanto estou calibrada. (Quer saber o que é isso, veja neste link: Link para artigo sobre QGrader

Vamos aos resultados:

Café Especial

  • Chemex: Pouca doçura, boa acidez, sem amargor, bebida limpa, retrogosto (gosto que pega no fundo da língua) ligeiramente presente. Notas de pêssego e damasco. A acidez brilhou mais do que na V60. Foi o método mais suave de todos, foi o mais flat (flat é quando tudo fica suave, sem nada marcando. Um copo de água por exemplo é 100% flat, já uma linguiça calabresa nunca vai ser flat porque tem tempero e seu flavour e aroma são muito marcantes- é mais ou menos isso).
  • V60: Acidez discreta, doçura aparece. Notas mais evidentes e presentes, mais fácil perceber as notas sensoriais, chega a florir na boca, não teve retrogosto.
  • Clever: O resultado não foi legal. Foi o que eu menos gostei. Foi onde a bebida estava mais turva. A doçura aparece conforme a bebida esfria e melhora inclusive o flavour final (Flavour é a mistura de sabor e cheiro que acontece naturalmente na sua boca, é o que chamamos em português de “gosto” exemplo: essa fruta tem gosto de abacaxi).
  • AeroPress: Aroma mais flat, bebida mais turva, doçura evidente e destacada, o flavour ficou muito bom. Retrogosto agradável, acidez discreta, corpo leve.
  • Moka: Chega a gritar na boca! Perfume intenso, acidez destacou MUITO, retrogosto aveludado, sem doçura, flavour ficou mais limitado. Foi possível perceber notas de café verde, flavour de café maduro no terreiro, gosto da fruta mesmo. A adstringência apareceu.
  • French Press: Flat. Sem acidez, sem doçura, pouco amargor, mostrou mais os defeitos do café. O flavour melhorou depois que a bebida foi esfriando. A bebida da Prensa parece que foi uma média de todos os outros métodos.

 

Conclusão do café especial: Este café na AeroPress ficou o melhor, o segundo melhor foi o V60. A Bebida da AeroPress ficou quase tão limpa quanto da Chemex (limpa é porque a bebida final ficou bem transparente, tipo um chá, não tinha pó boiando). A AeroPress destacou mais o aroma de chocolate. A Chemex ressaltou mais as notas florais. Depois de frio a Chemex foi a que teve a bebida mais doce. A bebida da Clever devia ter algo errado, pois o resultado não foi o esperado, pode ter acontecido o azar de ter caído um grão de café ruim na hora de moer.

IMG_0448 (1)

 

Café Gourmet de supermercado

  • Chemex: Aroma de chocolate e nozes. Notas de caramelo, acidez leve, retrogosto presente, aveludado, doçura suave. Perdeu o flavour rapidamente. É o método mais flat de todos. Foi um dos métodos que mais escondeu notas de cinzas.
  • V60: Cheiro de caramelo, doçura evidente, acidez leve e agradável, sem retrogosto. Flavour mais evidente que na Chemex. Aparece mais o flavour de cinzeiro (pode ser que a empresa que torra o café tinha o torrador sujo). Com o café frio, o flavour de cinzeiro ficou mais evidente.
  • Clever: Aroma amadeirado, sacaria velha. Quando mais frio tinha notas de manteiga. Doçura estava mais forte, flavour bom, retrogosto bom. O flavour foi surpreendentemente bom, final com notas de bala de caramelo, complexo. Fiquei supresa! Notas de nozes, amendoas. As notas de cinzeiro relatada nos outros métodos não apareceu na Clever.
  • AeroPress: Notas de chocolate amargo, aroma mais discreto. Flavour ótimo, doce, acidez baixa. Um pouco de retrogosto. As notas de cinzeiro ficaram fortes. Tem menos corpo que a Clever.
  • French Press: Notas da fruta do café, flavour bom mas discreto. Estava mais adstringente, corpo mais leve. Sem doçura. Acidez extremamente discreta. Flat no geral. Melhorou depois de frio.
  • Moka Express: Destaca a acidez demais. Retrogosto presente. Sem doçura, parece café espresso. Amargor presente, gosto de verde. Retrogosto não é tão ruim quanto na AeroPress.

 

Conclusão do café gourmet de supermercado: O melhor método foi a Clever. Ficou flat na Chemex. Não ficou bom na AeroPress. O V60 ficou flat igual à Chemex. Foi notado que a turbidez (quantidade de sólidos, o quão transparente estava a bebida) foi muito semelhante em todos os métodos. Desprezei parcialmente o fato das notas de cinzas porque isso é inerente ao grão de café e não aos métodos.

Conclusão Final:

O café especial ficou melhor na V60 e na AeroPress. Já o café gourmet de supermercado ficou melhor na Clever. A Chemex tem o flavour mais suave de todos os métodos. A Clever foi que teve a maior discrepância entre os cafés. A Prensa francesa foi a mais honesta, ou seja, mostra os atributos bons e ruins do café. Os métodos que tem filtro de papel seguraram melhor o amargor. A V60 me pareceu um dos melhores métodos para apreciar café. A AeroPress também foi um método interessante, não ficou ruim em nenhum dos cafés. A Moka é quem teve o resultado mais discrepante comparado com os demais métodos em ambos os cafés, sendo muito parecida com o espresso. A Chemex ressalta acidez e notas florais e frutadas. O café com a torra mais escura resultou em uma bebida com mais sólidos dissolvidos (o que já era esperado). O fato da Clever segurar a infusão dentro dela, faz com que ela deixe as notas mais achocolatadas aparecerem, quando o café não possui notas achocolatadas, ela parece não fazer diferença.

IMG_0563 (1)

*Se você for usar essas informações em algum site, post, Instagram, etc. por favor diga que fui eu que fiz a pesquisa, isso é lei e é legal da sua parte fazer isso.

Quer saber como foram feitas as experiências?

  • Em todos os métodos foi utilizada a taxa 1:15, usando 210g de água e 14g de café. (Fiz uma média da taxa usada na maioria dos métodos)
  • Em todos os métodos a água foi colocada a 93ºC.
  • Em todos os métodos foram 3 minutos de infusão (inclusive na AeroPress, fiquei na dúvida, mas acabei usando pra eliminar as variáveis).
  • A AeroPress foi mexida com 3 voltas no minuto 1:54. As demais não sofreram agitação.
  • Todos tiveram o bloom de 30segundos e 30gramas.
  • Todos os cafés foram provados por volta das 7:00hs da manhã, em ambiente iluminado e livre de aromas externos.
  • Temperatura ambiente do local em torno dos 25,5ºC
  • A moagem foi programada para dar certo em todos os métodos.
  • A água mineral usada foi a mesma em todos os testes.
  • Os preparos de cada método foram baseados na média. Não coloquei floreios e frescuras no preparo, eu quis simular um preparo standard, um preparo comum e que é repetido nos livros e videos do youtube. Detalhes muito peculiares dos métodos não foram utilizados porque nem todo mundo sabe desses detalhes.
  • Os copos utilizados para degustar eram similares, para evitar diferenciação pelo formato, cor, etc.

IMG_0410 (1)

Espero ter dado uma luz! No futuro farei mais testes para ver se existe algum parâmetro que é repetido para termos certeza do que cada método pode proporcionar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s